Como fazer um testamento: dicas para um planejamento sucessório

Elaborar um testamento é uma decisão prudente para qualquer pessoa interessada em garantir que seus bens sejam distribuídos de acordo com suas vontades após a morte. Este documento legal é fundamental para evitar disputas entre herdeiros e assegurar que todas as disposições sejam respeitadas.

O que é um testamento?

Um testamento é um documento pelo qual uma pessoa, conhecida como testador, declara como deseja que seus bens sejam distribuídos após sua morte. Esse documento também pode incluir outras disposições, como a nomeação de tutores para filhos menores ou instruções específicas para cuidados com animais de estimação.

Quais são os tipos de testamento?

Existem três tipos principais de testamento:

  • Testamento público: realizado em um tabelionato de notas, requer a presença de duas testemunhas e do tabelião. Este tipo proporciona uma segurança jurídica elevada, pois é documentado oficialmente e mantido em sigilo até a morte do testador.
  •  Testamento particular: o próprio testador pode redigi-lo, necessitando apenas da assinatura de três testemunhas, tornando-o mais acessível. Contudo, sua falta de registro em cartório pode acarretar riscos de perda ou contestação.
  • Testamento cerrado: realizam-no em cartório e o mantêm em um envelope lacrado até a morte do testador, momento em que apenas uma autoridade judicial o abrirá. Oferece privacidade, mas qualquer irregularidade pode invalidar o documento.

O processo e custos para fazer um testamento

Para redigir um testamento, é essencial que o testador tenha mais de 16 anos e esteja em pleno discernimento de suas faculdades mentais. Não é obrigatório o acompanhamento de um advogado, mas sua presença pode evitar problemas legais futuros. Os custos variam de acordo com o tipo de testamento e o estado, mas geralmente, um testamento público ou cerrado pode custar a partir de R$ 1.746 mais impostos, conforme as taxas do tabelionato local.

Importância da assistência legal

Marina Monteiro, sócia do escritório Miguel Neto Advogados, enfatiza a importância de contar com orientação jurídica. Um advogado pode assegurar que o testamento reflita fielmente a vontade do testador e propor soluções para otimizar a distribuição do patrimônio, como doações em vida.

Conclusões e recomendações

Fazer um testamento é uma etapa fundamental de planejamento sucessório. Definindo claramente a distribuição dos bens e outras vontades, o testador pode prevenir disputas familiares e garantir o cumprimento de seus desejos. Recomenda-se sempre buscar a assistência de profissionais qualificados e considerar as opções que melhor atendam às suas necessidades e condições.


Publicado em Economic News Brasil.

Compartilhe